• YouTube - Círculo Branco
  • Spotify - Círculo Branco
  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • Apple Music - White Circle
CAPA GOOGHA OK FRENTE  2 NOME.png
_MG_7890
_MG_7920
_MG_7968
_MG_8035
_MG_8073
_MG_8100
_MG_8155
RELEASE

GOOGHA (/Gu.ga/)

 

Googha segue projeto solo desde o ano de 2012, influenciado principalmente pela reggae music e pela surf music. Desde o início do novo milênio foi integrante das bandas Volume 7 (2002-2008), Alamo (2007-2010) e Mandalla Roots (2007-2010).

 

Googha é músico desde o ano de 1997, quando formou sua primeira banda de punk/hardcore, na qual era vocalista e guitarrista, com os amigos na escola. A banda era chamada Segunda-Feira, chegou a tocar no Rock da Tarde do Festival de Alegre (2001) e lançou a demo-tape "Dias de Tédio", com três músicas autorais, no ano de 2000.

 

Em 2002, foi chamado para ser guitarrista e backing vocal da banda de rock/alternativo Volume 7, com a qual lançou o álbum "Espinha Dorsal", com 11 faixas, no ano de 2006. Com o Volume 7, teve a experiência de tocar ao lado grandes nomes nacionais, como Pitty, Detonautas, Dead Fish e também com grandes nomes do cenário do hardcore nacional, como Noção de Nada, Garage Fuzz, Reffer, Dance of Days, Street Bulldogs e internacional, como Bambix (Hol), D'Sailors (Ale) e Boom Boom Kid (Arg). O Volume 7 teve seu fim em 2008.

 

Ainda em 2007, fundou e liderou a banda Alamo Rock na voz e guitarra e foi chamado para ser baixista da banda Mandalla Roots, de reggae, em 2008. Com o Alamo, gravou três singles oficiais e fez vários shows nos principais festivais do cenário do rock alternativo capixaba. A banda se despediu dos palcos no ano de 2010, tocando ao lado dos cariocas do Forfun, no Marista. Já com o Mandalla, tocou em todo Estado nos principais festivais de reggae, ao lado de grandes nomes nacionais do gênero, como Aline Duran e também junto com lendas do reggae internacional, como Don Carlos (Black Uhuru/Jamaica) e Apple Gabriel (Israel Vibration/Jamaica).

 

Com o fim das bandas entre os anos de 2010/2011, se dedicou à carreira solo (Googha) tocando no circuito de bares de Vitória. Em 2013, lançou o single "Fonte do Meu Prazer" acústico (com videoclipe) e uma releitura moderna de "Is This Love", de Bob Marley. Depois desta época, ficou em um hiato de apresentações - mas com composições e produções constantes - até meados do ano de 2015, quando lançou uma versão de “Foi na Cruz”, da banda DigitalBomb, e o single "Me Faz Bem", junto com webclipe. Em maio de 2016, lançou o single "O Teu Lugar", consolidando sua caminhada na reggae music autoral. A música conta com um videoclipe gravado nas dunas D'Ulé e no Parque da Fonte Grande, dirigido pela Faith Films e disponibilizado no YouTube.

 

Ainda no ano de 2015, Googha idealizou o projeto Rei das Ruas, cujo objetivo é levar música e atendimento socioeducativo/espiritual aos internos do Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) e a bairros periféricos, além de se envolver em ações diversas que busquem a justiça social, sempre tendo como instrumento a música e o relacionamento. Enxergando no RAP uma potencialidade para “chegar ao coração” dos internos e das comunidades, fundou, junto ao MC Kronos e ao DJ SV-Neck, o grupo de rap VersoVivo, que continua em plena atividade.

 

Em janeiro de 2017, Googha deu início à gravação do seu primeiro álbum solo, intitulado “Tesouro”, no estúdio Gama Soundz, dividindo a produção com o renomado Felipe Gama. O álbum contém cinco faixas da reggae music, nas quais o artista juntamente produziu, gravou as linhas de baixo, violões e vozes, além de ter realizado toda a produção artística. O material conta com participações especiais da música capixaba e nacional e foi lançado no dia 14 de novembro de 2020.

 

© 2020 by Googha / googha.music@gmail.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now